CONFIRA AS NOVIDADES

Fisco não pode utilizar-se da retenção de mercadoria importada como forma de impor o recebimento de

A Fazenda Nacional não pode utilizar-se da retenção de mercadoria importada como forma de impor o recebimento de tributos ou exigir caução para sua liberação, por meio da interrupção do despacho aduaneiro para reclassificação fiscal (via SISCOMEX), com objetivo único de assegurar o cumprimento da obrigação. Esse foi o entendimento 7ª Turma do TRF 1ª Região para manter a sentença, da 19ª Vara da Seção Judiciária de Minas Gerais que, em mandado de segurança que tinha com objetivo o desembaraço aduaneiro de mercadoria importada, retido em virtude de reclassificação fiscal, falta de pagamento de tributo ou prestação de garantia, julgou procedente o pedido. Em seu recurso o ente público sustentou

PIS/COFINS NA SISTEMÁTICA CUMULATIVA E NÃO CUMULATIVA - RECEITAS DECORRENTES DE SERVIÇOS AUXILIARES

A COSIT manifestou-se a respeito da abrangência do termo "obras de construção civil" na legislação da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS, sobretudo à luz do disposto no inciso XX do art. 10 da Lei n. 10.833, de 2003, que exclui do regime de apuração não cumulativa as receitas decorrentes da execução por administração, empreitada ou subempreitada, de obras de construção civil. Nesse sentido, o aludido órgão fazendário entendeu que as receitas decorrentes de serviços não aplicados à execução da obra de construção civil, tais como os serviços técnicos-especializados de laudos, inspeções e inspeções técnicas poderiam estar abrangidas, ou não, pela redação do dispositivo a depender das c

SPE – SOCIEDADE DE PROPÓSITO ESPECÍFICO – Empresas do Simples Nacional

As microempresas (ME) e as empresas de pequeno porte (EPP) optantes pelo Simples Nacional, por conta do tratamento diferenciado e favorecido previsto na Lei Complementar 123/2006 em relação ao acesso ao mercado, inclusive quanto à preferência nas aquisições de bens e serviços pelos Poderes Públicos, à tecnologia, ao associativismo e às regras de inclusão, poderão constituir Sociedade de Propósito Específico (SPE) com o objetivo de realizar negócios de compra e venda de bens para os mercados nacional e internacional. Nesta orientação examinamos as características dessa sociedade. 1. PESSOAS JURÍDICAS QUE PODEM INTEGRAR A SPE A Sociedade de Propósito Específico constituída para realizar negó

  • LinkedIn França Adv
  • Instagram França Adv
assinatura-web_Designer-2020_edited.png

França Advogados Consultoria e Advocacia. © 2017. Todos os direitos reservados.